Luís Tomé

Novo Recorte Geopolítico Mundial

Lisboa: EDIUAL e Quid Juris, 2004

A nova ordem internacional decorre dos efeitos provocados por dois acontecimentos “detonadores” – o final da guerra fria e o 11 de Setembro – que conduziram a alterações substanciais na estrutura de poder mundial, e por um outro “revelador” da realidade das relações de poder e de força – a crise iraquiana.

Segundo o autor, o novo recorte geopolítico mundial é actualmente caracterizado por um modelo complexo e original na estrutura de poder mundial que podemos designar por uni-multipolar, e pela coexistência de dois vastos movimentos geopolíticos e geoestratégicos – a “grande guerra” contra o terrorismo, a proliferação das armas de destruição massiva e os Estados Párias, por um lado, e o jogo de “contenções múltiplas” entre a pressão hegemónica dos Estados Unidos e as grandes potências (UE, Rússia e China) que se batem no sentido de conter ou mesmo contrariar essa hegemonia, por outro.

Estes amplos movimentos geopolíticos ocorrem ainda num contexto fortemente marcado pela emergência das ameaças assimétricas e pela tentativa de se estabelecerem novas estratégias para lhes fazer face, pois os conceitos operacionais de acções preventivas e preemptivas ganharam um novo sentido.

Edição em português

 

 

 

Observare 2020 - Todos os direitos reservados

Unidade de Investigação avaliada e financiada pela FCT através do projecto UID/CPO/04155/2019.
Este site foi reestruturado através do financiamento por fundos nacionais da FCT – Fundação para a Ciência e a Tecnologia, I.P., no âmbito do Projecto - Refª UID/CPO/04155/2019