IV Congresso Internacional do OBSERVARE

25-27 de Novembro de 2021 – Vimeiro

FALTAM

Day(s)

:

Hour(s)

:

Minute(s)

:

Second(s)

O OBSERVARE – Observatório de Relações Exteriores da Universidade Autónoma de Lisboa, organiza o 4º Congresso Internacional, que tem como tema geral “O MULTILATERALISMO, CONDIÇÃO DE GOVERNAÇÃO GLOBAL”.

O IV Congresso Internacional do OBSERVARE1 propõe-se tratar de um tema de grande actualidade. Num momento em que as questões globais assumem evidente prioridade e mesmo urgência e quando as organizações internacionais e as iniciativas multilaterais têm sido subestimadas ou mesmo combatidas, importa repensar o seu papel na sociedade internacional e avaliar as condições que permitam melhorar os mecanismos de governação mundial, incluindo a renovação e o relançamento do multilateralismo.

O tema geral em torno do multilateralismo é dividido em vários subtemas parciais, com relevo para o estudo do conceito de nova ordem internacional, das possibilidades da democracia cosmopolita e da governação global, bem como do modo como o multilateralismo é equacionado do ponto de vista dos vários continentes.

A fim de permitir a densidade teórica dos conteúdos e o processo de aprendizagem colectiva, o Congresso tem uma natureza residencial2, no Hotel Golf Mar do Vimeiro, de 25 a 27 de Novembro de 2021. Sem prejuízo de um tempo reservado à apresentação de comunicações individuais em painéis temáticos simultâneos (sobre dois temas: as tentativas institucionais e as iniciativas informais para regular a governação global), os trabalhos do Congresso decorrem em plenário, com conferências de especialistas: John Ikenberry (Princeton University), Daniele Archibugi (Consiglio Nazionale delle Ricerche, Roma e University of London, Birkbeck College) e Rafael Calduch Cervera (Universidad Complutense de Madrid), um painel com a participação de Parfait Onanga-Anyanga (Diplomata, Representante Especial do Secretário-Geral das Nações Unidas para o Corno de África), Reginaldo Nasser (Professor de Relações Internacionais na Universidade Católica – São Paulo) e Didier Bigo (Sciences-Po e Kings College), seguidas da apresentação de estudos colectivos elaborados por grupos interuniversitários de investigação e amplos debates.

Nas sessões de abertura e encerramento intervêm convidados especiais: Federica Mogherini (Reitora do Colégio da Europa em Bruges), Mariano Aguirre (Associate Fellow, Chatham House) e António Vitorino (Director Geral da Organização Internacional das Migrações).

A língua de trabalho privilegiada será o inglês, estando disponível tradução simultânea português/inglês nas sessões plenárias.

1 Unidade de investigação em Relações Internacionais da Universidade Autónoma de Lisboa.
2 No caso de a situação sanitária desaconselhar a natureza presencial do Congresso, a organização reserva-se o direito de o transpor para a modalidade online, sem encargos para os participantes.

FALTAM

Day(s)

:

Hour(s)

:

Minute(s)

:

Second(s)

Comissão preparatória

  • Brígida Brito
  • Luís Moita
  • Luís Tomé
  • Luís Valença Pinto
  • Luísa Godinho
  • Paula Pereira

SUBTEMAS

Os trabalhos do Congresso desdobram-se nos seis subtemas seguintes:

A – O conceito de “nova ordem”

Perante o sistema internacional desordenado, se não mesmo caótico, há a ambição de encontrar para ele uma “ordem”. No após-guerra de 1945, foi estabelecida uma “ordem” com a criação do sistema das Nações Unidas, do sistema financeiro internacional e mesmo do sistema monetário (o dólar como moeda de reserva internacional). Ao longo dos anos 1970 muito se reclamou uma “nova ordem económica internacional”. A seguir à 1ª guerra do Golfo, o Presidente Bush proclamou uma “nova ordem”. Este subtema pretende realizar uma análise histórica do conceito de nova ordem nas suas diversas vertentes, fazendo o ponto da situação da dicotomia ordem-desordem até à actualidade, analisando ainda as presentes tendências para um eventual reordenamento do sistema internacional.

B – As tentativas institucionais para regular a governação mundial

Trata-se de ensaiar um balanço das experiências históricas que tentaram regular o sistema internacional, com relevo para a tentativa da Sociedade das Nações, analisando o seu fracasso, e depois para as Nações Unidas e as grandes organizações intergovernamentais, incluindo as estruturas mais ou menos informais, como são o G7 e o G20. Na análise da ONU uma especial incidência deve ser feita no sentido de inventariar as propostas para a sua reforma, designadamente a do Conselho de Segurança, mostrando as possíveis causas para o seu aparente fracasso, analisando a actual crise do multilateralismo.

C – As iniciativas informais para regular a governação mundial

À margem das instituições formais, surgem dinâmicas sociais transnacionais e novos referenciais de representações cognitivas e emergem, entre muitas outras, tentativas de influenciar a ordem mundial, seja em perspectiva liberal, seja como posição crítica face à globalização predadora. A esta luz, merecem ser estudadas formas tão diferentes de pretender influenciar o sistema internacional como sejam o Clube de Bilderberg, o Fórum de Davos ou o Fórum Social Mundial. Qual o alcance real destas dinâmicas difusas e destas iniciativas não convencionais?

D – Os imperativos do multilateralismo vistos a partir de diversos continentes

Quase sempre as concepções tendentes a regular o sistema mundial partem de uma visão do Norte, desde a América do Norte até à grande Eurásia. Daí a vantagem de complementar essas abordagens convencionais com uma análise que atenda aos pontos de vista dos diversos continentes, seja a África, ou a Ásia ou a América Latina, incluindo a Europa, tentando equacionar as formas da possível articulação entre as instituições de âmbito regional ou mesmo continental e o multilateralismo de escala global.

E – Democracia cosmopolita e constitucionalismo global

​Este subtema propõe-se revisitar as diversas teses acerca da viabilidade de uma democracia exercida à escala que ultrapasse o espaço nacional, muitas vezes designada como democracia cosmopolita. Esta viabilidade prende-se com a interrogação acerca da existência de um espaço público mundial, que possa ser o “lugar” da cidadania global. Tal estudo, em perspectiva sociológica e comunicacional, beneficia em ser completado com as propostas no registo do Direito Internacional, nomeadamente as posições que preconizam um constitucionalismo global.

F – Uma arquitectura multi-nível para a governação global

Trata-se de fazer o ponto da situação quanto ao que tem sido proposto para a construção de uma nova regulação do sistema internacional, justamente em perspectiva construtivista, com a possibilidade de antever uma geometria variável, articulando as várias escalas, global e local, regional e transnacional, em perspectiva multi-nível, num quadro onde o sistema inter-estatal se confronta com o envolvimento de múltiplos actores, com possível relevo para aos organismos intergovernamentais, para as grandes corporações multinacionais e para as redes de cidades.

PROGRAMA

Quinta-feira, 25 Novembro 2021

Manhã

Viagem de autocarro a partir de Lisboa até ao Hotel Golf Mar no Vimeiro.
 

Tarde

15h00-17h00 – SESSÃO DE ABERTURA

  • Intervenção do Reitor da UAL
  • Apresentação inicial pelo OBSERVARE – Luís Moita
  • Conferência de abertura – Federica Mogherini (Reitora do Colégio da Europa em Bruges)
  • Debate

17h30-19h30 – SUBTEM A – O conceito de “nova ordem”

  • Conferência – John Ikenberry (Princeton University)
  • Apresentação de estudo colectivo elaborado por um grupo interuniversitário de investigação
  • Debate

Sexta-feira, 26 Novembro 2021

Manhã

9h30-11h00 – SUBTEMA B – As tentativas institucionais para regular a governação global
Cinco painéis em simultâneo, cada um com apresentação de quatro comunicações previamente seleccionadas, seguida de debate:

  • B1 – Origem e significado das organizações internacionais de vocação mundial.
  • B2 – Papel e alcance das organizações intergovernamentais de âmbito regional.
  • B3 – Soberania dos Estados e multilateralismo: uma incompatibilidade?
  • B4 – Reforma das Nações Unidas: uma impossibilidade?
  • B5 – Multilateralismo nos domínios da segurança, da economia, da sustentabilidade ambiental, do trabalho e da cultura.

11h30-13h00 – SUBTEMA C – As iniciativas informais para regular a governação global
Cinco painéis em simultâneo, cada um com apresentação de quatro comunicações previamente seleccionadas, seguida de debate:

  • C1 – Do G7 ao G20: significado e influência.
  • C2 – Do Clube de Bilderberg ao Fórum de Davos.
  • C3 – Fórum Social Mundial: da anti-globalização à alter-globalização.
  • C4 – O papel das grandes conferências mundiais: do Rio 92 a Marraquexe 2019.
  • C5 – As cidades na gestão da globalidade: o local e o global.
 

Tarde

15h00-17h00 – SUBTEMA D –  O multilateralismo visto a partir de diversos continentes

  • Introdução e moderação (a convidar)
  • Parfait Onanga-Anyanga (Diplomata, Enviado Especial do Secretário-geral das Nações Unidas para o Corno de África), Reginaldo Nasser (Pontifícia Universidade Católica – São Paulo, Brasil), Didier Bigo (Sciences-Po e Kings College) e um convidado do continente asiático (a confirmar).
  • Debate

17h30-19h30 – SUBTEMA E – Democracia cosmopolita e constitucionalismo global

  • Conferência – Daniele Archibugi (Consiglio Nazionale delle Ricerche, Roma e University of London, Birkbeck College) – “Perspectivas para o multilateralismo perante o desafio soberanista”
  • Apresentação de estudo colectivo elaborado por um grupo interuniversitário de investigação
  • Debate
Sábado, 27 Novembro 2021

Manhã

9h30-11h00 – SUBTEMA F – Uma arquitectura multi-nível para a governação global

  • Conferência – Rafael Calduch Cervera (Universidad Complutense de Madrid)
  • Apresentação de estudo colectivo elaborado por um grupo interuniversitário de investigação
  • Debate

11h30-13h00 – SESSÃO DE ENCERRAMENTO

  • Conferência – Mariano Aguirre (Associate Fellow, Chatham House) e António Vitorino (Director Geral da Organização Iternacional das Migrações)
  • Conclusão pelo OBSERVARE
 

Tarde

Viagem de autocarro a partir do Hotel até Lisboa. 

PROGRAMA

Quinta-feira, 25 Novembro 2021

Manhã

Viagem de autocarro a partir de Lisboa até ao Hotel Golf Mar no Vimeiro.
 

Tarde

15h00-17h00 – SESSÃO DE ABERTURA

  • Intervenção do Reitor da UAL
  • Apresentação inicial pelo OBSERVARE – Luís Moita
  • Conferência de abertura – Federica Mogherini (Reitora do Colégio da Europa em Bruges)
  • Debate

17h30- 19h30 – SUBTEMA A – O conceito de “nova ordem”

  • Conferência – John Ikenberry (Princeton University)
  • Apresentação de estudo colectivo elaborado por um grupo interuniversitário de investigação
  • Debate
 

Sexta-feira, 26 Novembro 2021

Manhã

9h30-11h00 – SUBTEMA B – As tentativas institucionais para regular a governação global
Cinco painéis em simultâneo, cada um com apresentação de quatro comunicações previamente seleccionadas, seguida de debate:

  • B1 – Origem e significado das organizações internacionais de vocação mundial.
  • B2 – Papel e alcance das organizações intergovernamentais de âmbito regional.
  • B3 – Soberania dos Estados e multilateralismo: uma incompatibilidade?
  • B4 – Reforma das Nações Unidas: uma impossibilidade?
  • B5 – Multilateralismo nos domínios da segurança, da economia, da sustentabilidade ambiental, do trabalho e da cultura.

11h30-13h00 – SUBTEMA C – As iniciativas informais para regular a governação global
Cinco painéis em simultâneo, cada um com apresentação de quatro comunicações previamente seleccionadas, seguida de debate:

  • C1 – Do G7 ao G20: significado e influência.
  • C2 – Do Clube de Bilderberg ao Fórum de Davos.
  • C3 – Fórum Social Mundial: da anti-globalização à alter-globalização.
  • C4 – O papel das grandes conferências mundiais: do Rio 92 a Marraquexe 2019.
  • C5 – As cidades na gestão da globalidade: o local e o global.
 

Tarde

15h00-17h00 – SUBTEMA D –  O multilateralismo visto a partir de diversos continentes

  • Introdução e moderação (a convidar)
  • Painel entre conferencistas convidados: Parfait Onanga-Anyanga (Diplomata gabonês, Enviado Especial do Secretário-geral das Nações Unidas para o Corno de África), Reginaldo Nasser (Pontifícia Universidade Católica – São Paulo, Brasil), Didier Bigo (Sciences-Po e Kings College) e um convidado do continente asiático (a confirmar)
  • Debate

17h30-19h30 – SUBTEMA E – Democracia cosmopolita e constitucionalismo global

  • Conferência – Daniele Archibugi (Consiglio Nazionale delle Ricerche, Roma e University of London, Birkbeck College) – “Perspectivas para o multilateralismo perante o desafio soberanista”
  • Apresentação de estudo colectivo elaborado por um grupo interuniversitário de investigação
  • Debate
 

Sábado, 27 Novembro 2021

Manhã

7ª sessão (9h30-11h00) – SUBTEMA F – Uma arquitectura multi-nível para a governação global

  • Conferência: Rafael Calduch Cervera (Universidad Complutense de Madrid)
  • Apresentação de estudo colectivo elaborado por um grupo interuniversitário de investigação
  • Debate

8ª sessão (11h30-13h00) – Encerramento

  • Mariano Aguirre (Transnational Institute) e
    António Vitorino (Director Geral da Organização Iternacional das Migrações)[a confirmar]
  • Conclusão pelo OBSERVARE

Tarde

Viagem de autocarro a partir do Hotel até Lisboa. 

Convite para propostas de comunicação

O OBSERVARE convida ao envio de propostas de comunicação, de acordo com os seguintes critérios:

Quem desejar participar no Congresso mediante apresentação de comunicações, pode desde já submeter o respectivo resumo através do formulário. Os resumos podem ser enviados até 30 de Setembro de 2021 e a sua aceitação será comunicada nas duas semanas seguintes. Por outro lado, todos os congressistas, apresentem ou não comunicação, devem obrigatoriamente proceder à inscrição através do formulário, até 12 de Novembro de 2021.

As comunicações são obrigatoriamente enquadradas num dos dois subtemas do Congresso, desdobrados em dez painéis:

SUBTEMA B: As tentativas institucionais para regular a a governação global
B1 – Origem e significado das organizações intergovernamentais de vocação mundial.
B2 – Papel e alcance das organizações intergovernamentais de âmbito regional.
B3 – Soberania dos Estados e multilateralismo: uma incompatibilidade?
B4 – Reforma das Nações Unidas: uma impossibilidade?
B5 – O multilateralismo nos domínios da segurança, da economia, da sustentabilidade ambiental, do trabalho e da cultura.

SUBTEMA C: As iniciativas informais para regular a governação global
C1 – Do G7 ao G20: significado e influência.
C2 – Do Clube de Bilderberg ao Fórum de Davos.
C3 – Balanço do Fórum Social Mundial: da anti-globalização à alter-globalização.
C4 – Papel das grandes conferências mundiais: do Rio 92 a Marraquexe 2019.
C5 – As cidades na gestão da globalidade: o local e o global.

Só serão aceites comunicações sobre estes pontos (por exemplo, um resumo sobre alterações climáticas não será aceite, a não ser que trate dos mecanismos de gestão global dos problemas ambientais; outro exemplo: será aceite um resumo sobre a dimensão securitária da governação mundial, mas não sobre a luta contra o Estado Islâmico).

Os resumos, de autoria individual ou colectiva, devem ser redigidos em língua inglesa e ter uma dimensão entre um mínimo de 3000 e um máximo de 6000 caracteres (espaços incluídos). O título não pode ultrapassar as 20 palavras. Devem ser indicadas entre 4 a 6 palavras-chave. O(s) autor(es) devidamente identificado(s). Cada autor pode apresentar, no máximo, uma comunicação individualmente, ou duas em co-autoria.

De entre os resumos recebidos, a Comissão Organizadora do Congresso seleccionará quatro para serem apresentados oralmente em cada painel temático. Deste modo, o número total de comunicações a apresentar ao Congresso, não pode ultrapassar as 40 (quatro comunicações em dez painéis), a fim de assegurar tempos razoáveis de apresentação e de debate.

Os resumos que não forem aceites para apresentação oral no respectivo painel podem ser convertidos em comunicações escritas ou papers científicos, com dois possíveis destinos: um artigo, com a dimensão de 12000 caracteres, a publicar no anuário JANUS; ou um ensaio científico, o qual, após peer review, pode figurar em número especial da revista JANUS.NET, e-journal of International Relations.

A participação no congresso tem um valor associado que inclui: 2 noites em regime de Pensão Completa, no Hotel Golf Mar Vimeiro, em quarto individual e transporte Lisboa-Vimeiro-Lisboa.

Pagamento até dia 12 de Novembro de 2021
Geral – 300€
Estudantes – 150€

As inscrições são limitadas em função da capacidade do hotel.
Os participantes que enviem resumo para comunicação devem proceder à inscrição logo que o resumo seja aceite para apresentação oral em painel.
Os Investigadores Integrados do OBSERVARE estão isentos de quaisquer encargos.

SUBMISSÃO DE RESUMOS

O resumo da comunicação deve ser enviado através deste formulário, até 30 de Setembro de 2021.

Mín. 3000 Máx. 6000 caracteres
Entre 4 a 6

 

INSCRIÇÃO

A inscrição é obrigatória para todos os participantes, e deve ser feita através deste formulário. 

 

PATROCÍNIOS

LOCAL DO CONGRESSO

O Hotel Golf Mar está localizado à beira-mar na Costa Oeste, 50 Km a norte de Lisboa.

Praia do Porto Novo – Vimeiro
2560-100 Maceira, Portugal

N 39.17932° W 9.35489°

LOCAL DO CONGRESSO

O Hotel Golf Mar está localizado à beira-mar na Costa Oeste, 50 Km a norte de Lisboa.

Praia do Porto Novo – Vimeiro
2560-100 Maceira, Portugal

N 39.17932° W 9.35489°