Luís Tomé

O Estado e a Nova Ordem Internacional: entre a fragmentação e a globalização

Lisboa: EDIUAL e Instituto Internacional de Macau (IIM), 2003

Falar do Estado e da Nova Ordem Internacional é um risco. um risco, sobretudo, porque os dois termos são imprecisos e quer perante o fenómeno “Estado” quer perante a “ordem internacional”, as opiniões são as mais diversas.

Observare 2020 - Todos os direitos reservados

Unidade de Investigação avaliada e financiada pela FCT através do projecto UID/CPO/04155/2019.
Este site foi reestruturado através do financiamento por fundos nacionais da FCT – Fundação para a Ciência e a Tecnologia, I.P., no âmbito do Projecto - Refª UID/CPO/04155/2019