OBSERVARE
Universidade Autónoma de Lisboa
e-ISSN: 1647-7251
Vol. 13, Nº. 1 (Maio-Outubro 2022)
37
A RESILIÊNCIA DO PARTIDO COMUNISTA DA CHINA
LUÍS CUNHA
luisfmcunha@gmail.com
Doutorado em Relações Internacionais, é investigador integrado no Instituto do Oriente
(ISCSP/Universidade de Lisboa, Portugal). Autor de vários livros sobre geopolítica da China,
incluindo: China: Cooperação e Conflito na Questão de Taiwan (2010), A Hora do Dragão
Política Externa da China (2012), China na Grande Guerra A Conquista
da Nova Identidade Internacional (2014) e China`s Techno-Nationalism in the Global Era
Strategic Implications for Europe (2016). Tem vários artigos publicados em revistas, nacionais e
estrangeiras, na área da geopolítica da Ásia-Pacífico.
Resumo
Ao perfazer 100 anos de actividade, o Partido Comunista da China (PCC) evidencia e projeta
um modelo singular de desenvolvimento político e social. Tomando por inspiração
metodológica a proposta de Samuel P. Huntington para o estudo do fenómeno político,
designadamente quanto à adaptabilidade da sede do poder, procuraremos focar algumas das
variáveis que justificarão a perenidade do PCC.
A cultura e a ideologia dinamizam um processo evolutivo sem paralelo nos quadros sistémicos
convencionais, legitimado por um figurino com intrínsecas características chinesas. O
aparente excecionalismo chinês, baseado numa forte visão nacionalista, é veiculado através
de uma “nova era” transformacional. As correntes académicas ocidentais denotam dificuldade
em enquadrarem este fenómeno com implicações globais.
Palavras-chave
Partido Comunista da China; Xi Jinping; sonho chinês; nacionalismo; centenário
Como citar este artigo
Cunha, Luís (2022). A resiliência do Partido Comunista da China. In Janus.net, e-journal of
international relations. Vol. 13, Nº 1, Maio-Outubro 2022. Consultado [em linha] em data da
última consulta, https://doi.org/10.26619/1647-7251.13.1.3
Artigo recebido em 10 Maio 2021 e aceite para publicação em 9 Outubro 2021
JANUS.NET, e-journal of International Relations
e-ISSN: 1647-7251
Vol. 13, Nº. 1 (Maio-Outubro 2022), pp. 37-52
A resiliência do Partido Comunista da China
Luís Cunha
38
A RESILIÊNCIA DO PARTIDO COMUNISTA DA CHINA
LUÍS CUNHA
Introdução
O cientista político Samuel P. Huntington considerava que a institucionalização de um
sistema político podia medir-se pela adaptabilidade, autonomia e coerência das suas
organizações e procedimentos.
A definição moldar-se-á com perfeição ao centenário Partido Comunista da China (PCC),
que não soube superar as inúmeras adversidades da sua longa trajecria, como surge
agora, no primeiro quartel do século XXI, aparentemente fortalecido no domínio do seu
desígnio ideológico de desenvolvimento para a China.
Assumindo abertamente um projeto autónomo, diferenciado dos modelos enraizados nas
propostas das democracias liberais do Ocidente, o PCC e a sua liderança evidenciam os
predicados de uma cultura civilizacional e política singulares, transportadora de
presumíveis mais-valias na versão oficialmente veiculada face aos sistemas políticos
alienígenas, que consideram falíveis. Dito de outro modo, ao longo do seu longo historial,
o não-alinhado PCC tentou iludir sistematicamente a “lógica da dependência”
oportunamente caracterizada por Bertrand Badie, na ocidentalização da ordem política
em “Estados importados” (2000).
São alguns destes traços dominantes no percurso do PCC, e no discurso dos seus
dirigentes, que nos merecem uma reflexão neste artigo, que abordará alguns dos
aspectos que justificarão a sobrevivência do maior Partido Comunista do mundo, a sua
institucionalização organizacional, mas também as suas vulnerabilidades intrínsecas. Na
fase conclusiva do texto, colocaremos em confronto as principais visões dissonantes
americana e chinesa em presença do case study que o PCC corporiza.
A via chinesa
Um documento oficial divulgado pela agência noticiosa Xinhua, em junho de 2021,
recordava que as teorias académicas ocidentais têm denotado grande dificuldade em
enquadrarem e justificarem, não somente a sobrevivência do PCC, como a asceno
meteórica da China nas diferentes dimensões do poder.
O texto serviria de antecâmara às conclusões da sessão plenária do 19º Comité
Central do PCC e aos “livros brancos” sobre o funcionamento da democracia na China e
à posição do PCC sobre a administração de Hong Kong.
JANUS.NET, e-journal of International Relations
e-ISSN: 1647-7251
Vol. 13, Nº. 1 (Maio-Outubro 2022), pp. 37-52
A resiliência do Partido Comunista da China
Luís Cunha
39
Comum a todos os documentos é a referência à originalidade do caminho escolhido pelo
PCC para o desenvolvimento da China, enfatizando o acervo civilizacional do país, a
recusa em alinhar no modelo de democracia liberal do Ocidente e, não menos importante,
o papel do Secretário-geral na qualidade de “núcleo central” do Comité Central do PCC e
de todo o Partido, que tem agora como “ideologia-guia” o pensamento de Xi Jinping sobre
o “socialismo com características chinesas na nova era”.
Na realidade, estaremos perante um tipo de revisionismo com caractesticas chinesas.
Sendo certo, como sublinhou Aron, que “a oposição entre Estado revisionista e o
conservador é muitas vezes enganosa” (2002: 142), não é menos certo que a via
escolhida pelo PCC, o Partido-Estado, reivindica a originalidade do seu projecto
ascensional.
Assumindo-se como um partido genuíno e pragmático, intimamente ligado às aspirações
populares, o PCC repudia reiteradamente aquilo que considera ser o “caos da democracia
ao estilo ocidental”, oferecendo em contrapartida uma “democracia que funciona”
baseada em inovações teóricas, de que se destacam a adaptação do marxismo à
realidade chinesa, para além do pensamento de Deng Xiaoping, a teoria da tripla
representatividade de Jiang Zemin ou a teoria científica do desenvolvimento de Hu Jintao.
No plano académico, estas teorias políticas encontram respaldo nas tentativas de
construção de um modelo de relações internacionais apropriado à projeção
contemporânea da China, de que o exemplos as correntes tradicionalista, do realismo
moral ou relacional construtivista.
Um dos grandes desafios no estudo da política externa da China prende-se, de resto,
com a teorização dos padrões e comportamentos aferidos e respectivo enquadramento
no plano das relações internacionais. Dito de outro modo, autores como Zhao Tingyang,
Yan Xuetong ou Qin Yaking, tentam colmatar essa lacuna atras das suas obras, ao
procurarem integrar a China na ordem mundial.
É neste contexto que podemos enquadrar o “sonho chinês” de Xi Jinping, que propõe um
processo inclusivo e harmonioso para o desenvolvimento e afirmação da China, mas
também uma ordem multipolar. Trata-se de um processo de renovação ideológica e
política, com recurso ao reabilitado confucionismo e ao tradicionalismo cultural, mesclado
com o incontornável marxismo em versão sínica.
Mas é a lógica leninista, atribuindo ao Partido a indisputável autoridade legitimada pelo
centralismo democrático, que consolida e une a trindade constituída por PCC-Estado-
Exército Popular de Libertação (EPL). Por outro lado, e pese embora o figurino leninista,
o PCC esforça-se por realçar a democratização dos seus processos dentro dos limites
impostos pela lealdade ao Partido. Olivro branco” com o sugestivo título “A Democracia
que Funciona” (Conselho de Estado da RPC: 2021), recorda que existem outros oito
Partidos no sistema político chinês, mas que todos eles devem obediência ao PCC.
Na realidade, a abertura parcial do PCC a processos de cariz democrático não deve ser
lido como uma liberalização ideológica, mas antes como uma tentativa de refinar e
melhorar os seus métodos funcionais e orgânicos. Para Zheng Yongnian, esse processo,
que apelida de “pluralismo interno”, integra a meritocracia herdada da época imperial
com elementos da democracia moderna (2020:16). Por outras palavras, a construção do
“socialismo com características chinesas na nova era”, tem como objectivo principal
JANUS.NET, e-journal of International Relations
e-ISSN: 1647-7251
Vol. 13, Nº. 1 (Maio-Outubro 2022), pp. 37-52
A resiliência do Partido Comunista da China
Luís Cunha
40
fortalecer o próprio Partido. É ainda de notar que o PCC colocou especial ênfase no
delicado processo de seleção e recrutamento para os seus quadros, transformando-se
desse modo numa organização política elitista.
Entretanto, na tentativa de ultrapassar o esgotamento do modelo económico adotado
desde a abertura da China ao mundo em 1978, o PCC reviu o seu posicionamento, que
passa agora pela defesa de um modelo alternativo para a globalização, a proposta de
novas organizações internacionais complementares e/ou alternativas ao sistema de
Bretton Woods, e um destino partilhado para a humanidade. E embora o PCC não admita
abertamente que o “modelo chinês” é exportável, considera que “a experiência e prática
do PCC podem oferecer boas referências a outros” (People First: 2021). De acordo com
o discurso de Xi Jinping assinalando o 95º aniversário do PCC, o que está em causa não
é tanto o “modelo chinês”, mas antes a “solução chinesa”. Pouco depois, no discurso que
proferiu ao 19º Congresso do PCC, Xi ficou muito perto de promover um modelo chinês
de relações internacionais, ao referir que o caminho trilhado pela China “oferece uma
nova opção para os outros países e nações que querem acelerar o seu desenvolvimento,
ao mesmo tempo que preservam a sua independência” (2017).
Enquanto as Administrações norte-americanas de Trump e Biden acusam a China de ser
uma potência “revisionista”, apostada em desmembrar o statu quo internacional (vide
Estratégia de Segurança Nacional: 2017; Estratégia de Defesa Nacional dos
Estados Unidos: 2018), a China contradita ao sublinhar que pretende apenas
promover mais democracia nas relações internacionais”. Por outro lado, a postura dos
EUA durante a Administração Trump, hostilizando aliados e retirando-se do projeto da
Parceria Transpacífica, uma medida que beneficiou a China, foi encarada por alguns
observadores como uma outra estirpe de revisionismo, não menos perniciosa que a
chinesa.
Reconheça-se, em todo o caso, que o conceito de “revisionismo” presta-se a diferentes
interpretações, consoante as “ordens” a que se refere. Para Alaistair Ian Johnston, que
identifica oito “ordens” internacionais, a China é marcadamente uma potência
“constitutiva”, isto é, alicerçada na concepção de soberania e territorialidade e, não
menos importante, na preservação do PCC (2019: 9-60). O mesmo autor considera que
a China interage com as diferentes “ordens” de modo diverso. Apoia algumas,o apoia
outras e apoia outras apenas parcialmente.
Laboratório político ímpar
No seu livro The Party, Richard MacGregor considerou a sobrevivência do Partido
Comunista da China um “milagre político” (2012: 33). Se tivermos em conta que a sua
inspiração fundacional, o Partido Comunista da União Soviética (PCUS), foi extinto há
três décadas, a asserção mostra-se válida. Há, no entanto, outras importantes variáveis
em jogo. No monolítico sistema político chinês nada se perde e tudo se transforma, por
obra e engenho de um Partido capaz de notável capacidade adaptativa.
Na realidade, ao longo de um século o PCC foi capaz de superar, com maior ou menor
grau de sucesso, todas as suas crises e contradições internas, transformando-se no maior
JANUS.NET, e-journal of International Relations
e-ISSN: 1647-7251
Vol. 13, Nº. 1 (Maio-Outubro 2022), pp. 37-52
A resiliência do Partido Comunista da China
Luís Cunha
41
e mais poderoso Partido Comunista do mundo
1
. É ao PCC que se deve a inigualável
projeção de poder na história da China, graças a uma gestão competente da agenda
geoestratégica e geoeconómica. A China, governada por um omnipresente Partido-
Estado, é um laboratório político sem paralelo.
Contudo, um dos muitos paradoxos do PCC, quiçá o principal, radica no facto de não ter
conseguido alcançar o comunismo quando completou o seu centenário. Esta aparente
contradição é abertamente admitida na Constituição do Partido, quando refere que o
objetivo máximo do PCC é a realização do comunismo” e que o ideal mais importante
do comunismo perseguido pelos comunistas chineses poderá ser realizado quando a
sociedade socialista estiver totalmente desenvolvida e altamente avançada”
2
.
Um objetivo que poderá ser parcialmente alcançado em 2049, aquando da celebração
dos 100 anos da implantação da República Popular da China. No léxico do PCC, esse
marco do duplo centenário, assinalará o “rejuvenescimento da nação chinesa”
3
.
Na verdade, a quimera comunista não sefacilmente alcançável, como a história da
segunda metade do século XX revelou de modo dramático, com a implosão da União
Soviética e do seu Partido Comunista. Alguns académicos sustentam mesmo que os
soviéticos nunca chegaram a implantar o comunismo, uma vez que os dirigentes
partidários da URSS teriam optado pelo capitalismo de Estado (Resnick e Wolff , 2002:
324). Outros, como David Shambaugh, vão mais longe ao vaticinarem o colapso do PCC
a médio prazo. Para aquele sinólogo americano, o PCC estará fatalmente contaminado
com debilidades sistémicas que poderão conduzir a um fim violento do regime (2015).
Caberá agora ao PCC e aos seus 91 milhões de militantes provarem, definitivamente,
que o ideário comunista, recalibrado com “características chinesas”, consegue
transformar a utopia em realidade. O pesadelo soviético seria desagravado pelo “sonho
chinês” de Xi Jinping.
Embora o PCC não esconda o trauma causado pelo desaparecimento do seu homólogo
soviético, tudo fazendo para que a história não se repita de forma trágica, o figurino
leninista e o capitalismo de Estado subsistem como alguns dos principais pilares do
Partido. O PCC, “o trunfo mais duradouro da Rússia Soviética em Política Externa” (Chang
e Halliday, 2005: 39) ou o “Partido leninista com mais sucesso na História” (Zheng, 2020:
1) chama a si a tarefa de triunfar no confronto tecnonacionalista com o Ocidente.
Um Partido de geometria variável
O PCC divide o seu percurso centenário em três períodos: desde a sua fundação em
Xangai (1921), aà proclamação da República Popular da China (1949); desde esse ano
1
Para além da RPC, Cuba, Coreia do Norte e Laos são os outros Estados oficialmente comunistas. Só o Partido
Comunista da Coreia do Norte ultrapassa o PCC em longevidade.
2
Constitution of the Communist Party of China, Revised and adopted at the 19th National Congress of the
Communist Party of China on October 24, 2017, p. 1. De acordo com o discurso oficial chinês, a China
“continuará durante longo tempo na fase primária do socialismo”. No 16º Congresso do PCC, em 2002, esse
período fora estabelecido em “mais de 100 anos”. Ver: Documents of the 16th National Congress of the
Communist Party of China, Foreign Languages Press, 2002, pp. 78-79.
3
Os dois centenários estabelecidos pelo PCC têm como meta a construção de uma sociedade moderadamente
próspera no centenário do Partido (2021) e uma sociedade socialista moderna quando a RPC celebrar o seu
centenário (2049).
JANUS.NET, e-journal of International Relations
e-ISSN: 1647-7251
Vol. 13, Nº. 1 (Maio-Outubro 2022), pp. 37-52
A resiliência do Partido Comunista da China
Luís Cunha
42
até à abertura ao mundo e início das reformas (1978); e desde a chegada ao poder do
atual líder, Xi Jinping (2012).
Na versão oficial, o PCC
4
foi fundado em julho de 1921 por uma dúzia de ativistas, na
sequência do desaire sofrido pela China na conferência de Paz em Versalhes, após a
Primeira Guerra Mundial, que viu as grandes potências sancionarem a ocupação nipónica
da província chinesa de Shandong, e das manifestações estudantis de inspiração
nacionalista que se lhe seguiram, corporizadas naquele que ficou conhecido como o
“Movimento 4 de Maio” (1919).
Os comunistas chineses, que não estavam familiarizados com o marxismo, cuja teoria
económica não colava com a realidade chinesa, viram, ainda assim, naquela doutrina
importada da revolução bolchevique, uma cartilha ideológica pronta a usar na luta contra
o imperialismo ocidental (Dreyer, 1996: 64-65).
Ao adaptarem o marxismo à situação que se vivia na China, os fundadores do PCC
optaram por uma flexibilidade ideológica com características chinesas que se manteria
até à atualidade. Seria Mao Tsé-Tung a alertar para a necessidade de os comunistas
chineses procederem à “sinificação do marxismo”. Nessa medida, o “socialismo com
características chinesas para uma nova era”, a teoria de Xi Jinping consagrada pelo PCC
no seu 1Congresso, é vista como o mais recente progresso na adaptação do marxismo
ao contexto chinês.
Durante os primeiros 28 anos de existência, o PCC viu-se obrigado a obedecer aos
ditames de Estaline e a combater o Partido Kuomintang, o seu arquirrival político,
liderado por Chiang Kai-Chek. Revelando a notável agilidade política que o caracterizaria
nas décadas seguintes, Mao chegaria mesmo a filiar-se episodicamente no Kuomintang,
por indicação de Estaline.
A expedição ao norte, com o PCC ainda aliado ao Kuomintang (1924-27), a guerra
revolucionária agrária (1927-37), a guerra de resistência contra o Japão (1927-37) e a
guerra civil, ou “guerra de libertação” (1946-49), foram os principais marcos históricos
desse período. Mao seguiu os passos de Lenine, saltando da teoria marxista para a acção,
apenas invertendo a sequência.
Com a proclamação da República Popular da China, a 1 de outubro de 1949, o PCC
assumiria as rédeas do poder em regime de monopólio político-institucional. Na
realidade, a vitória de Mao surpreenderia Truman e Estaline (Gaddis, 2021: 47). Nascia
a dinastia comunista chinesa e o Partido-Estado, numa interdependência orgânica e
funcional de inspiração leninista. Pela primeira vez em séculos, a China caminhava para
a união sob uma mesma bandeira.
Terminava um conturbado período, marcado por mais de quarenta mudanças do Governo
central desde a implantação da república, em 1912. Todavia, a pacificação interna não
estava assegurada. Externamente, Mao arriscaria a própria existência do Estado que
4
Atente-se na diferenciação semântica: em dezembro de 1920 foi fundado o Partido Comunista Francês e
em março de 1921 o Partido Comunista Português; o PCC, fundado em julho de 1921, adotou a
designação de Partido Comunista da China (itálico nosso). De acordo com os autores de uma biografia de
Mao Tsé-Tung, o PCC terá sido fundado em 1920 e Mao não estaria entre os fundadores do Partido. Ver
Chang, J., Halliday, J. (2005). Mao, A História Desconhecida. Lisboa: Bertrand Editora.
JANUS.NET, e-journal of International Relations
e-ISSN: 1647-7251
Vol. 13, Nº. 1 (Maio-Outubro 2022), pp. 37-52
A resiliência do Partido Comunista da China
Luís Cunha
43
acabava de criar. De facto, pouco mais de um ano após a proclamação da RPC, o exército
chinês combatia os americanos na Coreia.
Em síntese, o primeiro grande passo na direção da emancipação identitária da China
ocorreria com o envio de 140.000 trabalhadores para os palcos da Primeira Guerra
Mundial na Europa. No rescaldo do conflito, o “Movimento 4 de Maio”, serviria de embrião
à fundação do PCC.
Por outro lado, sem o combate aos japoneses, na Segunda Guerra Mundial, o PCC não
teria conseguido alcançar o poder, como o próprio Mao admitiria. Na realidade, a
ascensão e consolidação do poder do PCC fundam-se em factos históricos associados às
duas guerras mundiais. É, desde então, que os chineses cultivam um arreigado
nacionalismo de cariz anti-ocidental.
O Partido-Estado
O PCC começou por adaptar o figurino soviético de inspiração leninista à realidade
chinesa. O centralismo democrático, isto é, a subordinação do indivíduo à organização e
seus líderes, passou a reger o funcionamento da máquina partidária. À semelhança do
PCUS, o congénere chinês instituiu na sua cúpula os órgãos com poder decisório,
designadamente o Comité Central (eleito a cada cinco anos pelo Congresso do Partido),
responsável por selecionar o Politburo (25 membros).
Por sua vez, o Politburo elege o seu Comité Permanente, o núcleo duro de decisores
políticos, os atuais sete homens (não inclui mulheres e 70% dos membros do Partido são
homens) que têm nas suas mãos o rumo a dar à China. A poderosa nomenklatura, na
terminologia soviética. O primus inter pares é o Secretário-geral, que, em regra, assume
também o cargo de Presidente da República e presidente da Comissão Militar Central. O
Secretariado tem a importante missão de implementar as decisões do Politburo e do seu
Comité Permanente.
No entanto, algumas características do PCC diferenciam-se do sistema soviético. Desde
logo, a capacidade de penetração do Partido no tecido social, económico e militar. O PCC
está presente em todos os cantos da sociedade, obrigando a uma lealdade incondicional.
Os militares devem obediência constitucional ao Partido, bem como o sistema judicial. O
mesmo se aplica ao setor público da economia, que inclui algumas das empresas mais
conhecidas internacionalmente, os chamados campeões da indústria”. É assim que o
“pensamento de Xi Jinping (…) reflete a vontade comum de todo o Partido, todas as
Forças Armadas e o povo de todos os grupos étnicos” (Comunicado da Sessão Plenária
do 19º Comité Central do PCC).
Constitucionalmente, o governo soviético e o PCUS eram órgãos separados, embora a
realidade desmentisse esse artificialismo. Na China, o PCC deixou sempre bem claro que
seria o único responsável pelo controlo de toda a sociedade. Consequentemente, a
estreita interligação entre Partido e Estado é indistinguível. Na linguagem oficial “é
necessário assegurar que a liderança do Partido e do Estado permanece nas mãos
daqueles que são leais ao marxismo, ao Partido e ao povo” (China: Democracy That
Works: 8).
JANUS.NET, e-journal of International Relations
e-ISSN: 1647-7251
Vol. 13, Nº. 1 (Maio-Outubro 2022), pp. 37-52
A resiliência do Partido Comunista da China
Luís Cunha
44
É de sublinhar que, quando os líderes mundiais reúnem com o Presidente Xi Jinping,
nessa qualidade a exercer um cargo eminentemente cerimonial de acordo com a
Constituição da RPC, têm antes pela frente o poderoso Secretário-Geral do PCC.
Dispensando as formalidades legais, uma vez que não está registado como organização,
o Partido legitima a sua ubíqua influência na conquista do poder na sequência da guerra
civil, no desenvolvimento económico e social desde a abertura da China ao mundo, na
sua visão nacionalista e, acima de tudo, na pureza espiritual derivada dos dogmáticos
princípios partidários, coadjuvados por uma visão culturalista enraizada na filosofia
confucionista uma espécie de código social que regula a sociedade chinesa há milhares
de anos. Um contrato social que os chineses subscrevem descomplexadamente, desde
que as oportunidades de prosperidade e riqueza não sejam colocadas em causa.
A implantação
Mao Tsé-Tung, o líder supremo do PCC até à sua morte em 1976, não teve urgência em
reorganizar o Partido após a fundação da RPC. O primeiro plano quinquenal foi
aprovado em 1953 e o primeiro congresso do PCC apenas teve lugar em 1956 (até 1977
nenhum completou o mandato de cinco anos). Por sua vez, o Congresso Nacional Popular
(CNP), fundado em 1954, não reuniu entre 1966 e 1974 (Dreyer, 1996: 90-91). Ainda
em 1954 era aprovada a primeira Constituição da RPC.
Mao viria a revelar-se, paradoxalmente, o mais problemático líder do PCC. No Grande
Salto em Frente (1958-1962), terá sido o responsável máximo por 36 a 45 milhões de
mortes (Yang, 2008: 2; Dikötter, 2011: 1). Ao promover a transição forçada de uma
economia subdesenvolvida, para uma utópica sociedade comunista moderna, Mao levou
o sistema social e económico da China à beira do colapso.
Ainda mal refeito da catástrofe do experimentalismo maoísta, o povo chinês viu-se
obrigado a mergulhar na Revolução Cultural (1962-1976), que viria a revelar-se mais
uma página negra do PCC e do seu líder, apostado em agitar as massas através da
constante inquietação revolucionária. Vendo-se como o legítimo herdeiro do marxismo-
leninismo, Mao quis, mais uma vez, acelerar a transição do socialismo para o comunismo,
garantindo desse modo o seu legado histórico. As purgas e perseguições políticas no seio
do PCC, bem como a tortura física e psicológica e o desterro, passariam a ser comuns. O
Partido ficou virtualmente paralisado. Cinco milhões de militantes seriam alvo de
punições (Dikotter, 2017: 10). Os estudantes, mobilizados para o combate
revolucionário, acabariam por ser das principais vítimas da revolução cultural. Xi Jinping
seria um deles. O ensino na China atrasaria uma década.
A adoção da liderança coletiva e a abolição do culto da personalidade e do “pensamento
de Mao” como guia ideológico, tinham ficado consagradas no 8º Congresso do PCC, mas
nos 12 anos seguintes Mao conseguiu reverter esses princípios. No 9º Congresso do PCC
(1969), liderado por um Mao politicamente ressuscitado, a revolução cultural foi
oficialmente declarada “um grande sucesso (Li, 1994: 508). Foi nesse ano que Mao
passou a considerar a União Soviética, e não os EUA, a maior ameaça à segurança da
China.
JANUS.NET, e-journal of International Relations
e-ISSN: 1647-7251
Vol. 13, Nº. 1 (Maio-Outubro 2022), pp. 37-52
A resiliência do Partido Comunista da China
Luís Cunha
45
A aproximação aos EUA constituiria o maior êxito da fase final da carreira política de Mao.
Uma manobra primorosamente executada pelo mestre da tática que era Chu Enlai, o
Primeiro-ministro.
A retificação histórica
A morte de Mao Tsé-Tung e a consequente assunção do poder por parte do anteriormente
ostracizado Deng Xiaoping, abriu um capítulo de primordial importância na evolução do
PCC, que procedeu a um inédito exercício de autocrítica, numa tentativa de retificar o
delicado legado maoísta.
A importante Resolução sobre a História do PCC, adotada na 6ª seso plenária do 11º
Comité Central do Partido (1981), passou em revista a atuação “arbitrária” de Mao Tsé-
Tung e os seus “erros teóricos e práticos”. Particular atenção mereceu o período da
revolução cultural, que não se conformou nem com o marxismo-leninismo, nem com a
realidade chinesa”. Embora o PCC tenha considerado Mao o principal responsável pela
catástrofe social desencadeada pela revolução cultural, ao “confundir o povo com o
inimigo”, a resolução deixou claro que o valor científico do “pensamento de Mao”
continuava válido como farol ideológico do Partido.
Ao expor abertamente as feridas abertas por um der “divorciado da realidade e das
massas”, o PCC pretendeu iniciar um processo de regeneração interna, ao mesmo tempo
que validava o projeto reformista de Deng Xiaoping. Mas a abertura da China ao mundo,
iniciada em 1978, e o resultante desenvolvimento económico, comportava riscos
existenciais para o PCC que viriam a revelar-se de forma dramática.
Tiananmen
O PCC não voltaria a produzir um documento semelhante à resolução autocrítica de 1981
sobre os desaires da revolução cultural. As causas e efeitos dos acontecimentos de
Tiananmen, em 1989, seriam obliterados da