OBSERVARE
Universidade Autónoma de Lisboa
e-ISSN: 1647-7251
Dossiê temático
Relações Internacionais e Redes Sociais
Julho 2021
1
EDITORIAL
RELAÇÕES INTERNACIONAIS E REDES SOCIAIS
BRUNO REIS
breis@autonoma.pt
Doutor em Cincias Sociais pela Pontifícia Universidade Catlica de So Paulo e Doutor em
Cincias da Comunicao pela Universidad Rey Juan Carlos de Madrid. Professor Associado no
Departamento de Cincias da Comunicao da Universidade Autnoma de Lisboa (Portugal),
onde coordena o Doutoramento em Media e Sociedade no Contexto da Comunidade dos Pases de
Lngua Portuguesa e cocoordena o Ncleo de Investigaço em Prticas e Competncias
Mediticas (NIP-C@M). professor convidado no Mestrado de Comunicacin y Cultura Digital
(UAQ/Mxico) e no Departamento de Sociologia da Universidade da Beira Interior (UBI).
investigador integrado no OBSERVARE, no NEAMP (PUC-SP/Brasil) e no Citizenship, Culture &
Communication group (Vilnius Tech/Litunia).
JAVIER SIERRA SANCHEZ
sierrasanchez@gmail.com
Doutor em Cincias da Informao pela Universidad Complutense de Madrid (UCM) e licenciado
em Comunicaço Audiovisual e Jornalismo pela mesma universidade. Mestre em Marketing e
Comunicaço Corporativa pela Universidad San Jorge. Especialista em RRPP Internacional pela
UCM (Espanha). Especialista em protocolo e cerimonial de Estado e internacional pela
Universidade de Oviedo e pela Escola Diplomtica de Madrid. Actualmente professor associado
na Universidade Complutense de Madrid.
O presente dossier temático sistematiza as grandes linhas de reflexão apresentadas no
painel das Relações Internacionais do II Congresso Internacional de Comunicação e
Redes Sociais na Sociedade da Informação, que decorreu na Universidade Autónoma de
Lisboa entre os dias 31 de Março e 1 de Abril de 2021.
O denominador comum que orientou o debate pôs em evidência o papel das tecnologias
de informação e comunicação como correia de transmissão de um agir em larga escala.
A construção desta teia globalizante cimentou lógicas fortes de interdependência de
poder económico, político e comunicativo entre os países, blocos. Zygmunt Bauman
1
,
com a argúcia que o caracteriza, considera este processo como uma das marcas
irreversíveis do nosso tempo, em que todos dependemos de todos. Decisões e
acontecimentos ocorridos na “cultura mundo
2
podem produzir múltiplos efeitos,
1
Veja-se a entrevista concedida pelo sociólogo ao projecto fronteiras do pensamento;
https://www.fronteiras.com/artigos/zygmunt-bauman-especial
2
Lipovetsky, G., & Serroy, J. (2010). A Cultura-Mundo. Resposta a uma sociedade desorientada. Lisboa:
Edições 70.
JANUS.NET, e-journal of International Relations
e-ISSN: 1647-7251
Dossiê temático - Relações Internacionais e redes sociais (Julho 2021), pp. 1-3
Editorial
Bruno Carriço Reis; Javier Sierra Sanchez
2
directos, indirectos, imediatos, longínquos (mesmo que determinadas sociedades
possam aparentar impermeabilidade a um conjunto de fenómenos).
Esta lógica está subjacente a uma digitalização intensiva das nossas vidas, expostas a
um continuo caudal informativo e a assíduas partilhas. A célere circulação da informação
em rede apresenta uma natureza modeladora de opiniões incessantes, num debate
público cada vez mais marcado pelas questões de natureza globalizante. Cientes desta
situação, os agentes públicos (governos, agentes políticos, grupos de interesse e
corporaões) do primazia ao fenmeno comunicativo como “arsenal” estratgico de
negociação, dominação. Vislumbramos um abandono da percepção da comunicação
como um instrumento de soft power
3
, assumindo-se cada vez mais como instrumento de
hard power. O fenómeno da Cambridge Analytica
4
, de domínio comum e que seria difícil
resumir aqui, seria o paradigma ilustrativo da utilização comunicativa como definidora
de relações de poder na cena internacional. Este é o ponto partida para este número
temático. Os artigos que abarcam este dossier desmultiplicam esta questão em várias
dimensões significativas;
Um primeiro eixo discute a importância das ferramentas digitais ao serviço do que se
advoga como “ciberdiplomacia”. Uma primeira ponderao aborda o cenrio de migrao
tecnológica para a realidade 5G, que abre disputas acérrimas entre Estados, atendendo
as questões de segurança e defesa que levanta (Texto 1; Muñoz-Satre, Rodrigo-Martín
e Rodrigo-Martín). Um segundo texto avalia a estratégia de comunicação do Qatar para
reabilitar a sua credibilidade internacional. São discutidos os procedimentos o