ISOMORFISMO INSTITUCIONAL E A CONTINUIDADE DA ORDEM INTERNACIONAL ATUAL


Texto completo PDF | HTML

Vítor Ramon Fernandes

Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

Professor Auxiliar na Universidade Lusíada (Portugal) e Professor Visitante na Universidade de Cambridge (Wolfson College) e, anteriormente, no Departamento de Política e Estudos Internacionais.

 

Resumo


As ordens internacionais refletem os entendimentos que definem as relações entre os estados em determinados momentos da história. A ordem falha quando o conjunto adotado de princípios organizacionais que definem os papéis e os termos dessas relações deixam de funcionar. As organizações internacionais são uma característica central da ordem atual e uma importante fonte de legitimidade. Este artigo apoia-se num conjunto de ideias derivadas da nova literatura do institucionalismo sociológico sobre análise organizacional e apresenta um argumento que mostra as suas possíveis implicações para a ordem atual. Defendo que existem certas características organizacionais relacionadas com o isomorfismo institucional que podem sustentar a continuidade e manutenção da presente ordem internacional. O argumento baseia-se na homogeneidade de práticas e enendimentos identificados em diferentes instituições e organizações. A continuidade dessas práticas e a sua reprodução em estruturas são, até certo ponto, auto-sustentáveis e podem fornecer apoio adicional à ideia de que a atual ordem internacional liderada pelos americanos pode durar mais do que se pensa, ao mesmo tempo que permite mudanças na distribuição de poder.



Palavras-chave


Organização Internacional; Novo Institucionalismo; Isomorfismo Institucional; Campo Organizacional; Ordem Internacional



Como citar este artigo


Fernandes, Vitor Ramon (2019). "Isomorfismo institucional e a continuidade da ordem internacional atual". JANUS.NET e-journal of International Relations, Vol. 10, N.º 1, Maio-Outubro 2019. Consultado [online] em data da última consulta, https://doi.org/10.26619/1647-7251.10.1.1



Artigo recebido em 27 de Maio de 2018 e aceite para publicação em 02 de Fevereiro de 2019