RELAÇÕES BILATERAIS ENTRE OS ESTADOS UNIDOS MEXICANOS E A UNIÃO EUROPEIA. UM ESTUDO DE CASO SOBRE O PROGRAMA ERASMUS MUNDUS E O SEU IMPACTO NOS ESTUDANTES MEXICANOS


Texto completo PDF

Isac Cruz Gutiérrez
email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

Instituto Politécnico Nacional, Escuela Superior de Comercio y Administración, Unidad Tepepan Centro Universitario de Ciencias Económico Administrativas, Universidad de Guadalajara (México)

 

 

José G. Vargas-Hernández
email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

M.B.A.; Ph.D. Research Professor, Department of Administration University Center for Economic and Managerial Sciences, University of Guadalajara (México)



Resumo


O objetivo desta investigação é analisar se a implementação do programa Erasmus Mundus criou um impacto positivo nas relações bilaterais entre os Estados Unidos Mexicanos e a União Europeia no período entre 2009 e 2014. A hipótese sobre a qual esta investigação se debruça é se as relações bilaterais tiverem um impacto positivo ao implementar-se o programa Erasmus Mundus. Esta é uma investigação quantitativa e analítica longitudinal. Recorremos a fontes primárias, tais como dicionários, livros e revistas científicas, e a fontes secundárias, como artigos e pesquisas, para obter toda a informação desejada. A análise das fontes e da informação foi feita com recurso a estatística descritiva, que permite criar uma boa descrição dos objetos específicos. Para representar os resultados obtidos, apresentam-se tabelas e gráficos que revelam a quantidade de candidaturas mexicanas no período entre 2009 e 2014. Foram aceites 11% dos candidatos mexicanos, o que é uma percentagem considerável, mas ainda há muito a fazer para melhorar esses programas porque, sem qualquer dúvida, os programas de intercâmbio académico permitem uma melhor qualidade de vida e, para aqueles que podem expandir os seus horizontes, uma vida, um presente e um futuro melhores.



Palavras-chave


Turquia, Líbia, África, Terrorismo, política externa turca, Médio Oriente, AKP



Como citar este artigo

 

 DOI: https://doi.org/10.26619/1647-7251.8.2.5 



Artigo recebido em 2 de Janeiro de 2017 e aceite para publicação em 23 de Julho de 2017