DAS CIDADES-ESTADO ÀS CIDADES-GLOBAIS: O PAPEL DAS CIDADES NA GOVERNANÇA GLOBAL

 


Texto completo PDF

Domingos Martins Vaz
email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

Sociólogo, professor no Departamento de Sociologia da Universidade da Beira Interior (UBI, Portugal) e investigador integrado do CICS.NOVA (Centro Interdisciplinar de Ciências Sociais da Universidade Nova de Lisboa). Tem desenvolvido investigação sobre temas urbanos e rurais, mobilidades e desenvolvimento territorial, sobre os quais tem publicado.

 

 

Liliana Domingues Reis Ferreira
email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

Professora auxiliar da Universidade da Beira Interior (UBI, Portugal) e diretora da Licenciatura em Ciência Política e Relações Internacionais e do Mestrado em Relações Internacionais da mesma instituição e investigadora do Centro de Investigação em Ciência Política da Universidade do Minho e Universidade de Évora. Licenciada em Relações Internacionais pela Universidade do Minho, mestre em Relações Internacionais e Ciência Política pelo Instituto de Estudos Políticos da Universidade Católica Portuguesa e doutorada em Ciência Política e Relações Internacionais na Universidade do Minho. Tem desenvolvido investigação sobre a UE e governança global e participado em várias conferências nacionais e internacionais. Recebeu recentemente a menção honrosa do Prémio José Medeiros Ferreira.



Resumo


A governança global alterou a arquitectura institucional e as condições sistémicas e institucionais sob as quais se dá o exercício do poder, bem como as características do sistema político, a forma de governo e o sistema de intermediação de interesses. Porém, e apesar de ter ultrapassado a dimensão estatal do poder, criou novas dimensões inter-estatais e novas relações entre os poderes, nomeadamente ao nível das cidades. As cidades têm ajudado a resolver problemas comuns de uma forma mais eficiente e eficaz, facilitando o intercâmbio de conhecimentos, a partilha de soluções e recursos, construindo capacidades para implementação e monitorização do progresso no sentido de alcançar metas acordadas colectivamente, numa abordagem bottom-up. As cidades têm a virtude de garantirem o contracto social e político mais directo entre as sociedades e a noção de autoridade. Procura-se, pois, reflectir sobre esta governança emergente, menos hierárquica e rígida, para enfrentar os complexos desafios globais como as alterações climáticas e demográficas, taxas de criminalidade crescentes, tecnologia disruptiva e pressões sobre recursos, infra-estruturas e energia. Como interface global/local, as cidades podem assegurar soluções eficazes para os actuais desafios e agir em conjunto, em domínios em que a agenda global está paralisada.



Palavras-chave


Actores sub-nacionais; Ameaças e riscos; Globalização; Governança multinível; Redes de cidades



Como citar este artigo

 

DOI: https://doi.org/10.26619/1647-7251.8.2.2 


Artigo recebido em 7 de Julho de 2017 e aceite para publicação em 11 de Setembro de 2017