INTERFACES DA LUSOFONIA: LUSÓFONOS EM REDE NO FACEBOOK


Texto completo PDF

Inês Amaral
email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

Professora Auxiliar na Universidade Autónoma de Lisboa (Portugal), Coordenadora Científica da Licenciatura em Ciências da Comunicação e do Mestrado em Comunicação Aplicada. Docente do Instituto Superior Miguel Torga, vice-presidente do Conselho Científico e Coordenadora Científica da Licenciatura em Multimédia e da Pós-Graduação em Audiovisuais e Multimédia. Doutorada em Ciências da Comunicação. Ensina na área da Comunicação Digital e tem desenvolvido investigação sobre sociabilidades nas redes sociais digitais, literacia digital, tecnologias e envelhecimento ativo, consumos mediáticos na era digital. Participado em projetos internacionais de investigação como EMEDUS e em diversas ações do COST. É membro da IAMCR, ECREA, INSNA e SOPCOM e co-fundadora da Associação Portuguesa de Formação e Ensino à Distância.

Silvino Lopes Évora
email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

Professor Auxiliar na Universidade de Cabo Verde (Cabo Verde), coordenador da Licenciatura em Jornalismo. Doutorado em Ciências da Comunicação, vertente Sociologia da Comunicação e da Informação com a menção de Doutoramento Europeu. Presidente da Associação Cabo-Verdiana de Ciências da Comunicação. Investiga sobre concentração dos media, liberdade de imprensa, lusofonia e políticas da comunicação. Ganhou o Grande Prémio Cidade Velha com a tese de doutoramento (Ministério da Cultura de Cabo Verde) e o Prémio Orlando Pantera com um Ensaio Sobre a Liberdade na África Ocidental. Aprovado no Concurso do Gabinete para a Comunicação Social para publicação da tese de Mestrado e no concurso da WAF Editora para publicar um livro de poemas. Bolseiro de Doutoramento (Fundação para a Ciência e a Tecnologia), de Mestrado (Fundação Calouste Gulbenkian) e de Licenciatura (Governo de Cabo Verde).



Resumo


O presente artigo assume o novo cenário digital, postulado na teoria da sociedade em rede defendida por Castells (2000), enquanto quadro contextual. Assumindo que o virtual existe e produz efeitos (Lévy, 2001), consideramos que assistimos a uma alteração de paradigma sócio comunicacional. Se do ponto de vista da Comunicação estamos perante a individualização, é evidente a mudança de paradigma social. A nova perspetiva incutida pelas ferramentas digitais é a sociabilização e a maximização do coletivo. Neste artigo, partimos do pressuposto de que os laços relacionais nas redes sociais assimétricas (que não implicam reciprocidade entre os nós) que se efetivam em plataformas de sociais media é o conteúdo. Neste sentido, e assumindo uma perspetiva multidisciplinar, consideramos que a apropriação da técnica evidencia um mapeamento de estruturas que são mediadas tecnicamente e interações potenciadas pela tecnologia. Apresentamos um estudo empírico que se baseia numa triangulação metodológica, cruzando análise documental com netnografia. Analisando grupos e páginas do Facebook como suportes onde a comunicação é recontextualizada pela distribuição de forma desagregada e por diferentes tipos de interações, objetivamos categorizar e compreender as representações sociais da Lusofonia. O objetivo central deste trabalho é analisar se o Facebook, enquanto espaço de interações digitalmente mediadas e a partilha desagregada de conteúdo, podem induzir uma reconstrução das redes de significância e representações sociais da Lusofonia, potenciando a criação de um grupo social único, ou pelo menos de um agrupamento dotado de alguma homogeneidade.



Palavras-chave


Lusofonia; ciberespaço; redes sociais; representações sociais; interação social



Como citar este artigo


Amaral, Inês; Évora, Silvino (2016). "Interfaces da lusofonia: Lusófonos em rede no Facebook". JANUS.NET e-journal of International Relations, Vol. 7, N.º 2, Novembro 2016-Abril 2017. Consultado [online] em data da última consulta, observare.ual.pt/janus.net/pt_vol7_n2_art7 (http://hdl.handle.net/11144/2786)



Artigo recebido em 18 de Dezembro de 2015 e aceite para publicação em 15 de Junho de 2016