OBSERVARE
Universidade Autónoma de Lisboa
ISSN: 1647-7251
Vol. 6, n.º 1 (Maio-Outubro 2015), pp. 125-149
“ESTADO ISLÂMICO”: PERCURSO E ALCANCE UM ANO DEPOIS DA
AUTO-PROCLAMAÇÃO DO “CALIFADO”
Luís Tomé
ltome@autonoma.pt
Professor Associado da Universidade Autónoma de LisboaDepartamento de Relações
Internacionais (Portugal). Professor Visitante no Instituto da Defesa Nacional, no Instituto de
Estudos Superiores Militares, na Middle East Technical University em Ankara-Turquia e na
SapienzaUniversitá di Roma, Itália. Coordenador Científico do OBSERVARE Observatório de
Relações Exteriores, onde coordena também a Linha de investigação “Estudos de Segurança, da
Paz e da Guerra”. O seu mais recente trabalho é a edição do livro Islamic State” the new
global jihadist phenomenon (Media XXI, no prelo), obra colectiva com oito ensaios e autores de
Portugal, Itália e Turquia.
Resumo
Em 29 de Junho de 2014, o ISIS/ISIL ou Daesh anunciou a alteração da sua designação para
somente “Estado Islâmico” (IS), proclamou-se “Califado” e nomeou o seu líder Abu Bakr al-
Baghdadi como “Califa Ibrahim”. Cerca de um ano depois, este artigo pretender avaliar o
percurso e o alcance desta entidade jihadista territorial. Começaremos por contextualizar aquela
auto-proclamação em termos de ideologia e objectivos para, depois, descrevermos como o IS se
tem procurado consolidar enquanto “Estado” de facto e os efeitos trágicos da sua política de
terror. A última parte é essencialmente dedicada à expansão internacional do IS, analisando o
alcance na atracção de “combatentes estrangeiros”, os novos wilayats criados fora da Síria e do
Iraque, os grupos locais entretanto afiliados ou as actividades do IS no ciberespaço.
.
Palavras chave:
Estado Islâmico, ISIS, Terrorismo, Jihadismo, Segurança Internacional
Como citar este artigo
Tomé, Luís (2015). "«Estado Islâmico» percurso e alcance um ano depois da auto-
proclamação do «Califado»". JANUS.NET e-journal of International Relations, Vol. 6, N.º 1,
Maio-Outubro 2015. Consultado [online] em data da última consulta,
observare.ual.pt/janus.net/pt_vol6_n1_art8
Artigo recebido em 5 de Maio de 2015 e aceite para publicação em 28 de Maio de 2015